play_arrow

Gestão

#36 – Growth Hacking: o filho do Marketing com a TI | Entrevistado: Marcos Pâncaro

Adriano Martins Antonio 3 de setembro de 2021 509 207 2


Background
share close

A integração da TI com diversas áreas é um fato. E nesse contexto, nasceu um dos casamentos mais sólidos do mundo corporativo: a Tecnologia com o Marketing. União esta que gerou um filho: o Growth Hacking.

No podcast #36 do The Walking Tech, Marcos Pâncaro, CEO e fundador da Frantic Digital, conta como o Marketing e a TI dependem um do outro para o sucesso de uma organização, além de esclarecer o que é o Growth Hacking.

No início da entrevista, Marcos revela um pouco da sua trajetória. Formado em Administração, o especialista em Marketing começou a sua carreira na Grendene, onde ficou por quase 5 anos e chegou a ocupar um cargo de liderança.

Assumindo essa função, Marcos se apaixonou pelo Marketing. Foi quando resolveu assumir a veia empreendedora – segundo ele, herdada do pai – e abriu sua primeira empresa, junto com outros sócios. Atualmente, Marcos Pâncaro é CEO da Frantic Digital.

Uma das especialidades de Marcos é o Growth Hacking, um dos termos mais ouvidos nos últimos tempos na área de Marketing. Mas o que essa palavra significa exatamente?

“Growth Hacking significa criar estratégias com base em experimentação. Com base em dados do resultado desse experimento, descobrir se há alguma luz no fim do túnel, aplicando essa experimentação de forma processual.” E para quem acredita que o Growth Hacking é uma fórmula mágica, o entrevistado revela que, na realidade, essa é uma prática que se baseia em teste de menores proporções, algo que vai na contramão do que muitos empreendedores fazem. “Testes devem ser feitos com muita frequência”, conta ele.

Marcos também explica que o Growth Hacking é uma metodologia pautada em KPIs, em que o aprendizado se dá pelo acerto e erro.

Sobre a relação entre o Marketing e a TI, o entrevistado aponta algumas razões para que haja cada vez mais pessoas de tecnologia na área de Marketing. “Uma pessoa de tecnologia provavelmente já resolveu coisas mais complexas do que alguém de humanas”, e exemplifica a facilidade com atividades como integrações ou cálculos que um profissional de TI tem como vantagem em suas habilidades para ajudar na gestão do marketing.

E o que um “Growth Hacker”, fruto da parceria entre o Marketing e a TI, faz no trabalho? Segundo Marcos, um profissional de Growth Hacking é aquele que consegue ser generalista e ao mesmo tempo ter alguns conhecimentos aprofundados. Por exemplo, uma pessoa de Marketing que mexe com Growth Hacking pode se cercar de pessoas de tecnologia, unindo ambas as visões para buscar o sucesso. Porém, Marcos também alerta que a definição de um “Growth Hacker” é algo muito complexo para especificar em palavras.

Sobre os braços do Marketing que mais envolvem o entrevistado, ele revela: “Entender as etapas de vendas e buscar otimizá-las é a minha paixão.”

E como o Marketing se posiciona em meio à transformação digital? Pâncaro defende a importância fundamental do Marketing Digital, ainda mais depois da pandemia. “As pessoas não passam mais na frente de uma loja”, alega ele.

Ainda sobre o Marketing Digital, Marcos diz que esse segmento deu a oportunidade para pessoas que anteriormente não podiam anunciar em veículos grandes. Além disso, hoje existe a possibilidade de atingir um público mais segmentado.

E ele também destaca que, apesar de empresas grandes terem vantagem em relação à verba, não significa que o trabalho delas é mais fácil. “No Marketing Digital, é preciso esclarecer que uma marca grande também tem um caminho grande a percorrer”, explica Marcos.

E qual área depende mais da outra? Marketing ou TI? Para Marcos, a resposta é simples: “Sem a tecnologia nós não conseguiríamos nada, é graças a ela que temos ferramentas para tudo”.

Sobre as metodologias adotadas pelo entrevistado, ele desenvolveu uma própria, chamada “Frenetic Results”. E ele revela quais os quatro pilares dessa metodologia: Marketing, Vendas, Customer Success e Growth Hacking. Mas Marcos deixa claro que não “inventou a roda”, e que a metodologia é flexível.

Nesse contexto, Pâncaro opina que o Growth Hacking é algo avançado no Marketing, e que nem sempre poderá ser aplicado nas empresas, principalmente quando a organização ainda estiver enfrentando problemas com questões básicas em relação a essa gestão. “Não adianta montar estratégias se você não sabe fazer o básico”, justifica Marcos.

Por fim, Marcos Pâncaro, como especialista em Growth Hacking, dá a dica para quem é de TI e quer empreender, mas não tem nenhuma experiência com Marketing: “Consuma conteúdo de Growth e outras estratégias, pesquise como a área de TI na qual você atua se adequa ao Marketing. Explore essa área e otimize os resultados.

Ouça a entrevista na íntegra!

Um oferecimento PMG Academy, patrocinado pela BRQ Digital Solutions.

Tagged as: .

Avalie
Episódios Anteriores
Post comments (0)

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *